Investigação Amorosa

Será que você está sendo traído?

É comprovado, a traição. Os brasileiros são infiéis, você está traindo ou já foi traído?

Foi realizada uma pesquisa, sobre a sexualidade na América Latina, feita pelo instituto Tendências Digitales em 11 países da região a pedido do GDA. Que mostra o Brasil apresentando os maiores índices de infidelidade e disfunções sexuais.

Logo, quem olha para os casos de infidelidade declarados pelos brasileiros corre o risco de perder o sono. Entre os homens, o percentual daqueles que dizem já ter traído pelo menos uma vez na vida chega a 70,6%. Entre as mulheres, o número é 56,4% – o maior da região. Ou seja, o levantamento mostra que apenas 36,3% dos brasileiros nunca traíram um parceiro.

Portanto, se incorpora ao casamento, a ideia de que, é complicado viver anos com, uma pessoa sem ter ao menos, uma experiência extraconjugal. Um sintoma de problemas graves na relação.

Mas a infidelidade, masculina ou feminina, sobretudo em percentuais tão altos, segundo os especialistas, é um sintoma dos mais gritantes de que os casais não estão sabendo enfrentar seus problemas e se relacionar de forma mais saudável.

Ou seja, a conversa, e o diálogo, muitas vezes pode solucionar os problemas, e sobretudo evitar, a traição.

Justificativas.

Alexandre Sadeeh, especialista em sexualidade do Hospital das Clínicas da USP, concorda com a colega:

– Falta intimidade entre os casais – diz. – A paixão, o encantamento, o amor do início do casamento são destruídos pela rotina. As pessoas pensam, ‘já conheço, já sei, não preciso me dedicar tanto’. Vão mudando e isso não é percebido pelo outro. E vão se distanciando.

A pesquisa mostra que falta mesmo diálogo aos casais, sobretudo no que diz respeito às preferências sexuais. Segundo o levantamento, menos da metade das pessoas dizem falar sempre com o parceiro sobre o que mais gostam na cama. Metade (49,8%) diz que só às vezes fala sobre o assunto e 6,4% afirmam que isso nunca acontece. No Brasil, 42% dizem conversar sempre.

Não fique na dúvida, entre em contato com nós.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *